23 de janeiro de 2013

Série: Lendas Urbanas de Cuiabá - parte 1

A primeira série de reportagens sobre as festas tradicionais de Mato Grosso fez o maior sucesso, então vou postar duas matérias sobre as lendas de Cuiabá. Nesta primeira, vou falar de uma das mais famosas lendas, que é o Minhocão, e o outro do Nego d'água. Espero que gostem!

Quando se é criança os pais e avós contam histórias que ouviram há muitos anos atrás, passadas de geração a geração, de tanto ser contadas tornam-se lendas verídicas e muitos acabam acreditando que existiam bichos estranhos que assustavam toda a população. Tornando-se folclore da região, vindo de lendas indígenas, nas crendices são transformadas em cultura, algumas eternizadas nas danças. 















A mais famosa em contada em Cuiabá, é a lenda sobre a existência do Minhocão, uma das mais conhecidas em todo Estado de Mato Grosso. O minhocão trata-se de um monstro que vive no poço do Rio Cuiabá, são várias histórias sobre o bicho que ataca barcos no período da noite, faz imenso barulho, agita as águas do rio e causa horrores aos pescadores. 

No Rio Cuiabá é frequente os pescadores pantaneiros que vivem na localidade de Barão de Melgaço descreverem a saga do minhocão, como sendo um monstro que vive dentro do Rio Cuiabá e quando se sente incomodado pelos barulhos causados pelos pescadores, ou ate mesmo quando e jogado caco de vidro ou cabeça de porco no local onde mora, ele fica furioso e começa a cavar buraco no fundo do rio e com isso desmorona grande quantidade do barranco do rio, derruba as casas dos ribeirinhos, emborca a canoas dos pescadores e muitas vezes consegue mudar ate mesmo o percurso do rio. 

Contam também que o bicho derrubava a barranca do rio para perseguir aquele que o enxergava. É uma minhoca enorme, monstruosa, que circula pelos rios e águas do Pantanal e da baixada cuiabana virando canoas, devorando pescadores, levantando grandes ondas e desmoronando barrancos dos rios. 

Ele recebe esse nome devido ser um monstro parecido com uma minhoca que aparece quase sempre nas noites calmas de lua cheia nas margens do Rio Cuiabá, com isso, há sempre um grande movimento dos peixes no leito do rio. A lenda diz que não se pode reformar ou restaurar a igreja matriz da capital de Mato Grosso, pois o minhocão encontra-se preso pelos fios de cabelo de Nossa Senhora.

Outra lenda da região é a do Negro D'água ou Nego D'água vive em diversos rios. Manifestando-se com suas gargalhadas, preto, careca e mãos e pés de pato, o Negro D'água derruba a canoa dos pescadores, se eles se negarem de dar um peixe. Em alguns locais do Brasil, ainda existem pescadores que, ao sair para pescar, levam uma garrafa de cachaça e a jogam para dentro do rio, para que não tenham sua embarcação virada.

Esta é a História bastante comum entre pessoas ribeirinhas, principalmente na Região Centro-Oeste do Brasil, muito difundida entre os pescadores, dos quais muitos dizem já ter o visto.

Segundo a Lenda do Negro D'Água, ele costuma aparecer para pescadores e outras pessoas que estão em algum rio. Não se há evidências de como nasceu esta Lenda, o que se sabe é que o Negro D'Água só habita os rios e raramente sai dele, seu objetivo seria como amedrontar as pessoas que por ali passam, como partindo anzóis de pesca, furando redes dando sustos em pessoas a barco, etc. Suas características são muito peculiares, ele seria a fusão de homem negro alto e forte, com um anfíbio. Apresenta nadadeiras como de um anfíbio, corpo coberto de escamas mistas com pele.

Se gostou do post, clique nas publicidades ao lado. Obrigado!

5 comentários:

ZuzoBem Gara disse...

A maior lenda urbana de Cuiabá é que ela é uma "Cidade Verde".
O mais certo é que ela é uma "cidade Cor-de-bosta", porque árvores mesmo, só umas poucas na UFMT e Parque Mãe Bonifácia. O resto, é mato!

Apenas Photos disse...

Sendo mato, não deixa de ser verde, mas concordo com você, agora com essas obras da Copa estão tirando (para depois replantar (algumas)) várias árvores que ficavam no meio de algumas avenidas principais. Espero que isso mude com o tempo... Obrigado pela sua participação.

Amanda Cardoso disse...

Sou de Cuiabá, e não querido não é mato, conheça para depois falar bjs

Anônimo disse...

Nasci em Minas Gerais, moro no Rio de Janeiro e não sei o motivo de alguns caras falarem mal de mato. Melhor mato que pisar em bosta de cachorro na rua, ver muro pixado, cracudo tentando te roubar, motorista de ônibus mal-humorado, poluição do caralho. Cá entre nós, feliz é quem mora no mato.

Anônimo disse...

As pessoas não conhecem e querem falar de cuiabá aqui não tem mato, e uma cidade como qualquer outra o grande problema e das pessoas que moram aqui que desvalorizam sua cultura e reclamam de coisas mal feitas mais tomar a iniciativa de ir la reinvidicar o nosso direito não fazemos o nosso problema e que somos demais acomodados e aceitamos oque nos empõe.