Últimas Notícias
recent

Esgoto de cidades pode ter ouro e milhões de dólares em metais



E se o lodo do esgoto pudesse ser transformado em ouro? A ideia pode parecer improvável, mas cientistas da Universidade do Estado do Arizona, nos EUA, provaram que no esgoto produzido por uma cidade com um milhão de habitantes é possível encontrar aproximadamente US$ 13 milhões em metais (o equivalente a R$ 34,5 milhões, aproximadamente), incluindo cerca de US$ 2,6 milhões (ou quase R$ 7 milhões) em ouro e prata. A pesquisa foi publicada na edição on-line desta semana da Environmental Science & Technology.

Para chegar a esse resultado, os pesquisadores colheram amostras de lodo de esgoto em vários lugares nos Estados Unidos e mediram o teor de metais nelas, usando um espectrômetro de massa capaz de distinguir os diferentes elementos.

Eles afirmam, no entanto, que, apesar da riqueza de metais, esse tipo de exploração do esgoto não seria viável financeiramente. O principal autor do estudo, o engenheiro ambiental Paul Westerhoff, no entanto, afirmou que a pesquisa é válida, pois prova que, mesmo pequenas cidades, podem buscar formas vantajosas de exploração do esgoto, que não precisa ser necessariamente um resíduo dispendioso.

Uma cidade no Japão teria conseguido extrair ouro de seu esgoto. Em Suwa, na província de Nagano, uma estação de tratamento perto de um grande número de fabricantes de equipamentos de precisão, supostamente teria extraído quase dois quilos de ouro em cada tonelada de cinzas resultantes da queima do lodo do esgoto.

Segundo o engenheiro da Universidade de Yale, Jordan Peccia, que não estava envolvido no trabalho, o novo estudo contribui para essa crescente preocupação de repensar o destino do esgoto e em como transformá-lo em algo valioso. Peccia afirma que 8 milhões de toneladas de biossólido – derivado do lodo seco – são geradas a cada ano nos Estados Unidos. "É preciso pensar nisso como um recurso. Qualquer coisa que encontrarmos nesse lodo é valioso, é bom", afirma.

FONTE: Uol / Ciência
João Alves

João Alves

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.