Últimas Notícias
recent

Na falta de moeda de 1 centavo, preço deve ser arredondado para baixo sempre


O preço estampado na vitrine é R$ 19,99. A sensação para o consumidor é que não custa nem “20 reais”. Mas, pagando com uma nota de R$ 20, dificilmente a pessoa recebe (ou espera) o troco.

Apesar de o Banco Central ter parado de fabricar as moedas de R$ 0,01 em 2004, o que dificulta o troco de valores quebrados, muitas lojas ainda adotam preços que terminam em R$ 0,9.

“É uma estratégia de marketing. A loja não põe o preço cheio para criar o efeito psicológico no consumidor, que vê R$ 19,99 e tem a sensação de que não é R$ 20″, afirma a advogada Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Pro Teste (Associação Brasileira deDefesa do Consumidor).

O Banco Central afirma que o real adota um padrão monetário centesimal e os empresários e comerciantes são livres para cotar seus preços. A informação oficial é que existem 3 bilhões de moedas de R$ 0,01 em circulação.

Mas é bem difícil receber uma de troco ou encontrar quem a tenha.

Segundo a advogada, se não tem o R$ 0,01 para dar de troco, a loja precisa arredondar o preço para baixo.

A Fecomercio-SP informa que recomenda aos associados que adotem preços que possibilitem restituir o troco.

Alguns preços acabam quebrados devido à forma como o produto é comercializado. É o caso das mercadorias vendidas por peso. Também há fabricantes que colocam nas embalagens um preço sugerido quebrado, o que pode causar atrito entre comerciante e consumidor final.

Ao fim, o importante é exigir o troco.
João Alves

João Alves

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.